SUBMISSÃO DE PROPOSTAS- Português

Nenhum corpo só

 26ª Conferência da Pedagogy and Theatre of the Oppressed (PTO) 

Workshop pré-conferência (presencial em Indianapolis) com Julian Boal:
20 a 22 de junho de 2023

Conferência presencial: 22 a 25 de junho de 2023

Indianapolis, Indiana, EUA

Local: Indiana University Purdue University Indianapolis

Eventos online associados à PTO: 8 e 9 de junho de 2023

(A PTO oferecerá dois dias parciais de sessões online duas semanas antes da conferência presencial; aqueles que desejarem apresentar seus trabalhos na modalidade online poderão submeter suas propostas através do mesmo formulário de inscrição e indicar a preferência pela apresentação online. Se você estiver inscrito na conferência presencial, nós o aconselhamos a participar também das sessões online. Os inscritos na conferência presencial receberão os links dos eventos online sem qualquer custo extra).

“O corpo humano, velho ou moço, gordo ou magro, não importa de que cor, é o corpo consciente, que olha as estrelas, é o corpo que escreve, é o corpo que fala, é o corpo que luta, é o corpo que ama, que odeia, é o corpo que sofre, é o corpo que morre, é o corpo que vive!” Paulo Freire

PRAZO PARA A SUBMISSÃO DE PROPOSTAS (tanto para propostas online e presenciais): 10 de janeiro de 2023 (com notificação prevista até 15 de fevereiro). Clique aqui para submeter sua proposta.

Observação aos inscritos que residem fora dos EUA: Devido ao calendário das solicitações de visto, bem como à necessidade de aquisição de passagens aéreas internacionais com certa antecedência, as propostas de comunicadores que residem fora dos EUA serão priorizadas por ordem de chegada no processo de avaliação, e tais pessoas receberão antecipadamente a notificação sobre o status de suas propostas. Portanto, se você reside fora dos EUA e gostaria de receber a notificação antes de 15 de fevereiro, submeta a sua proposta o quanto antes, visto que as propostas de fora dos EUA serão avaliadas de forma contínua.

O foco deste ano:

Teatro e diálogo começam a partir do corpo! O tema da Conferência de 2023 da PTO, em Indianápolis, Nenhum Corpo Só examinará nossos corpos enquanto sistemas impactados por sistemas mais vastos de controle: o corpo como receptor, transmissor, criador e colaborador. Cada sujeito é teatro; o corpo em si pode ser um espaço para nos compreendermos desse modo. Mas no momento em que o Capitalismo, a Supremacia Branca, bem como outros sistemas opressivos buscam separar os indivíduos de seus corpos, e nossos corpos do poder coletivo que eles possuem quando juntos em ação, o corpo isolado pode se sentir muito reduzido. Profundamente atingido, mas impotente. Podemos explorar as tecnologias de transformação que surgem dos nossos corpos ao reconhecermos os impactos sistêmicos exercidos sobre eles; o poder de reação e cura que surge deles, e a consciência crítica que podemos atingir juntos através deles. 

NENHUM CORPO SÓ:

  • Opressão corporal existe, limitando o poder de agências das pessoas para definir, expressar e obter assistência para suas próprias identidades;
  • O poder sistêmico impacta inevitavelmente onde nossos corpos transitam, como eles se sentem e qual nosso poder de agência sobre eles;
  • Muitas pessoas e corpos são com frequência excluídos de espaços de poder, representação e diálogo, ou de conferências como esta;
  • Somos ensinados a ser aprendizes sem corpos e, enquanto trabalhadores, somos alienados de nossos corpos, na crença de que corpo e mente são adversários;
  • Nossas histórias vivas se mantêm aparentes em nossos corpos, como mapas identitários e percepções de tensões, lutas, necessidades e de vitórias ou perdas de nossas comunidades em batalhas acirradas.

NO ENTANTO, SABEMOS QUE:

  • é através de nossos corpos que aprendemos a reconhecer nossas vivências, como somos formados por nossas experiências e o que podemos nos tornar;
  • podemos abrir novos espaços de transformação através da desmecanização dos nossos corpos;
  • de acordo com Augusto Boal, cada um deve “controlar o próprio corpo, conhecer o próprio corpo para ser capaz de torná-lo mais expressivo. Só aí estará apto para praticar formas teatrais através das quais ficará livre da condição de espectador e assumirá a de ator, deixando de ser um objeto para se tornar sujeito, de vítima a protagonista”.

………………………………………………………………………………………..

Sobre a PTO:

Pedagogy and Theatre of the Oppressed (PTO) é uma organização internacional que apoia pessoas cujos trabalhos desafiam os sistemas opressivos, promovendo o pensamento crítico e a justiça social através do teatro de libertação e da educação popular. Nossa abordagem baseia-se nas teorias e práticas de Paulo Freire e Augusto Boal. Fomentamos conexões colaborativas a fim de compartilhar, desenvolver, promover e documentar o teatro de libertação, a educação popular e outras ações revolucionárias. Nossa conferência anual busca fornecer um espaço acessível, inclusivo e educacional. É de modo enérgico que almejamos oferecer tanto sessões introdutórias àqueles pouco familiarizados com as práticas de Teatro e Pedagogia do Oprimido, quanto sessões avançadas aos praticantes de longa data.  

……………………………………………………………………..

INFORMAÇÕES ADICIONAIS PARA PROPOSTAS DE TRABALHO: ALGUNS PENSAMENTOS EM TORNO DE “NENHUM CORPO SÓ” 

Organizadores, trabalhadores, estudantes, professores, ativistas, artistas e acadêmicos! VOCÊS estão convidados a submeter uma proposta de trabalho, de modo a partilhar suas práticas e conhecimentos na 26ª Conferência Internacional da PTO: Pedagogy and Theatre of the Oppressed! Esta é uma reunião para o aprendizado, a partilha e a troca entre pessoas que desejam lutar juntas por um mundo melhor para todos. Se você quer fazer parte desta luta, esta conferência é para você, ainda que não familiarizado com o trabalho da Pedagogy and Theatre of the Oppressed.  

Para a 26ª Conferência da Pedagogy and Theatre of the Oppressed, escolhemos dar enfoque sobre o corpo, conscientes de que nossas lutas em âmbito local por liberação e autonomia corporal em Indianapolis, Indiana, são lutas partilhadas ao redor do mundo. A opressão sobre o corpo tem tomado muitas formas, que incluem: legislação anti-trans, restrições ao aborto, assistência médica inadequada, falta de moradia e crise habitacional, revogação das carteiras de habilitação para residentes ilegais (sem documentos), o desaparecimento da Missing Murdered and Indigenous Women, a criminalização do HIV, o trabalho policial e a violência de estado, abuso e criminalização dos trabalhodores do sexo, criminalização da população carente, discriminação, encarceramento, destruição ambiental, restrições à livre circulação, separações de famílias, ataques à educação e tantos outros de uma lista aparentemente interminável.

Em Indianapolis – uma comunidade que reagiu ao planejar a redução de danos, ajuda mútua e a medicina de rua – e em outros lugares, estamos reconhecendo como os sistemas de opressão impactam nossos corpos, separa os indivíduos da comunidade e buscam esvaziar o poder de agência que existe dentro de nós. Nossos corpos são receptores, transmissores, colaboradores e co-criadores de opressão sistêmica. Como incorporamos a transformação através das nossas práticas? Como utilizamos as tecnologias do corpo para, juntas, criarem algo novo?    

Abaixo, há algumas perguntas adicionais que podem ajudá-lo a desenvolver sua proposta de trabalho. Esta não é uma lista completa de assuntos; são perguntas que têm como objetivo fornecer uma ideia a respeito da variedade de temas que podemos explorar juntos: 

  • Como o seu trabalho aborda os impactos sistêmicos sobre o corpo? 
  • Como o seu trabalho aborda impactos visíveis e invisíveis, como restrições à livre circulação, desumanização e isolamento?
  • Quais táticas de libertação podemos utilizar para libertar nossos corpos da opressão e criarmos uma liberdade viável para o futuro?
  • Quais corpos não vemos com frequência em nossos trabalhos e por quê? Quais implicações sobre o corpo não estamos abordando?
  • De quais formas você utiliza a Pedagogia do Oprimido, a educação popular ou o Teatro do Oprimido para conectar indivíduos aos seus corpos de modo libertário?
  • Esse foco adicional se alinha ou diverge dos usos tradicionais da Pedagogia do Oprimido, educação popular e do Teatro do Oprimido? 
  • Como o seu trabalho aborda o modo pelo qual os sistemas de opressão nos separam de nossos corpos e os modos pelos quais podemos nos conectar com nossos corpos e conectar nossos corpos uns com os outros?
  • Como abordamos o fato de que os corpos têm sido historicamente utilizados para preservar sistemas de opressão ou lutar contra eles? Como a percepção dos nossos corpos contribui para nossa liberdade ou opressão?

Se você ainda possui alguma dúvida quanto às formas de apresentação ou aos modos de submissão de uma proposta de trabalho, envie-nos um email para pto2023indianapolis@gmail.com com uma pergunta ou ideia para que possamos ajudá-lo. Além disso, você pode encontrar mais informações sobre a Pedagogy and Theatre of the Oppressed em www.ptoweb.org

Uma observação sobre os idiomas

Lançamos esta Chamada de Trabalhos em inglês, espanhol e português. Conseguimos ler e responder propostas nesses idiomas, e os comunicadores poderão utilizar qualquer uma das três em suas falas. Também planejamos destacar, de modo claro, no Programa da Conferência o(s) idioma(s) de cada sessão. Lamentamos que a PTO não tenha atualmente suporte necessário para garantir serviços de interpretação e tradução aos participantes da conferência presencial. Nossas baixas taxas de inscrição são pautadas na acessibilidade econômica, mas isso também significa que nosso orçamento normalmente não nos permite oferecer tradução simultânea para todas as sessões. No entanto, haverá uma opção no formulário de inscrição para que os comunicadores assinalem os idiomas nos quais possui fluência. Vamos nos esforçar ao máximo para viabilizar a maior quantidade possível de traduções. Embora, no passado, a maioria das sessões tenha sido em inglês, tentaremos descentralizar o inglês a qualquer oportunidade.

Duração das sessões e opções de formatos

  Sessão única: 90 minutos

  Sessão dupla: Duas sessões consecutivas de 90 minutos, totalizando três horas. (Isso inclui um intervalo de 15 minutos. Note, por gentileza, que pode haver participantes para uma ou para as duas partes da sua sessão supla) 

  Workshops: Técnicas e Aplicações: Workshops interativos com foco na análise, explicação e experiência de técnicas de PO/TO ou de práticas liberatórias. Os workshops também podem contar com adaptações, aprofundamentos e trocas de trabalhos desenvolvidos em diversas situações, circunstâncias e populações, ou apresentar estudos de caso que sublinhem técnicas artísticas e educacionais de libertação.

  Performances: Performances interativas que promovam e problematizem a transformação, libertação, justiça social e/ou o engajamento político. A conferência não deve ser vista meramente como uma exibição, mas como uma oportunidade de engajamento na análise interativa da própria performance, nos assuntos que a originaram, ou em ambos. 

  Sessão da Juventude Dirigente: Qualquer sessão por/ para/ sobre iniciativas de jovens. Compreendemos “juventude dirigentes, em geral, como projetos e sessões com liderança significativa de pessoas jovens de até 24 anos, embora reconhecemos que o importante apoio de colaboradores mais velhos também pode contribuir para o sucesso de tais projetos e sessões. Oportunidades de auxílio financeiro estão disponíveis através de bolsas e ajuda voluntária.

  Mesa Redonda: Conversas ou debates entre ativistas, artistas, organizadores e/ou educadores populares. As sessões também podem solicitar que os participantes participem do diálogo sobre determinados conceitos, técnicas ou estudos de caso relacionados a PO/TO ou a práticas de trabalho liberatório. São propostas para oferecer uma conversa com os demais em torno de um assunto de interesse, em vez de uma completa apresentação de suas ideias e conclusões.

  Painel comunicações: Grupo pré-definido de 3 a 4 apresentações sobre uma área em específico do trabalho liberatório de PO/TO. Todos os comunicadores devem aceitar participar e ser membro da mesa. As sessões também devem incluir um debate ou outro tipo de interação com os ouvintes. 

  Apresentação de pesquisa: Síntese de pesquisa ou artigo sobre PO/TO ou de teorias e práticas de trabalho liberatórias, através de apontamentos. Os trabalhos NÃO devem ser lidos, mas apresentados. Cada apresentação deverá ter de 10 a 12 minutos, excluindo-se o tempo para o debate. Organizaremos os trabalhos por assunto, em grupos de 3 a 4, fornecendo tempo para o debate. Não é elegível para sessão dupla.    

  Workshops Anti-Opressão: Workshops interativos específicos sobre vários aspectos do trabalho anti-opressão, incluindo linguagem/terminologia, comunidades e populações específicas, desafios e ética, bem como métodos de trabalho baseados na educação liberatória e/ou nas técnicas de TO. 

  Diálogos Críticos: Estas sessões ofertam espaços para diálogos coletivos sobre questões específicas e complexas do trabalho liberatório. O diálogo pode ser viabilizado por uma ou mais pessoas, mas todos os ouvintes da sessão estarão convidados a participar totalmente da conversa. Os diálogos podem seguir um modelo freireano de apresentação de um problema ou seguir outros modelos liberatórios, podendo ou não incluir atividades afins a workshops. 

  Bem-estar e cuidado comunitário: Estas sessões podem abordar assuntos como a saúde e o bem-estar de ativistas, a incorporação da cura para praticantes e outras práticas de auto cuidado e cuidado comunitário dirigidas a pessoas diretamente engajadas em movimentos de base ou outro tipo de trabalho em torno da justiça social. 


PRAZO PARA A SUBMISSÃO DE PROPOSTAS (tanto para propostas online e presenciais): 10 de janeiro de 2023 (com notificação prevista até 15 de fevereiro). Clique aqui para submeter sua proposta.